Todos os horários
MACABRO

Diário escrito em assoalho de castelo revela lado sombrio da França no século XIX

Ao trocar o piso de madeira de um castelo francês que tinham adquirido, os novos donos do imóvel tiveram uma surpresa. Na parte de baixo das placas de madeira do assoalho havia uma série de anotações feitas entre 1880 e 1881. O diário, assinado por um carpinteiro chamado Joachim Martin, trazia histórias arrepiantes sobre crimes, sexo e religião.

Vídeo relacionado:

O Castelo de Picomtal fica na comunidade rural de Les Crottes. As anotações de Martin revelam aspectos sombrios envolvendo os moradores da região durante o fim do século XIX. "São palavras de um trabalhador comum, um homem do povo. Ele só registrou esses fatos porque sabia que seriam lidos apenas em um futuro distante", diz o historiador Jacques-Olivier Boudon, que escreveu um livro sobre o achado.

Uma das passagens mais impressionantes do diário de Martin diz respeito a uma série de infanticídios ocorridos anos antes. Segundo ele, em 1868, ele ouviu uma mulher dando à luz em um estábulo. O carpinteiro contou que ao longo do tempo ela teve seis filhos. Quatro deles foram mortos e enterrados no local. As crianças haviam sido assassinadas pelo amante dela, um homem chamado Benjamin, amigo de Martin.

O autor do diário diz ainda que Benjamin (cujo mãe era amante de seu pai) tentou seduzir sua mulher e arruinar seu casamento. Martin diz que não denunciou os crimes pela consideração da amizade entre os dois. Nos escritos, o carpinteiro também critica padres da igreja local. Ele acusa o abade Lagier de ser um mulherengo que se aproveitava das fiéis que se confessavam a ele. Martin morreu alguns anos após escrever o diário, em 1897.


 Fonte: BBC

Imagem:  Fr.Latreille, via Wikimedia Commons